30 de abr de 2014

Amanhã faz 20 anos

Me lembro muito bem daquele dia. Eu tinha 13 anos e estava passando mais um final de semana na nossa casa em Caucaia. Ir para lá era rotina de quase todos os finais de semana.

Foram anos muito felizes. Passávamos horas jogando bola, war e andando de bike. A vida separou alguns dos amigos, mas sempre vou lembrar daqueles momentos.

Às 09:00 do dia 01 de Maio eu estava em frente à TV, como a maioria dos brasileiros na época. Foi muito sofrido mas por algum motivo eu não chorei. Talvez por vergonha, talvez por não ter caído a ficha de que ele poderia morrer. Para quem era fã como eu, ele sempre parecia ter um ar de imortal, de super-herói.

Lembro que eu chorei e bastante, somente 6 anos depois, quando o Rubinho ganhou sua primeira corrida na F1. E naquele momento, lembrei do choro guardado de 1994.

Naquela época eu era uma criança e com certeza o achava um Deus. Vê-lo morrer ao vivo foi meu primeiro contato mais próximo com a morte. Eu nunca tinha ido ao enterro de algum parente e meus pais sempre tentavam me proteger do tema, como qualquer pai costuma fazer com seu filho (a).

Hoje, olhando de forma mais adulta, não acho o Senna um Deus, o salvador do Brasil, um homem sem defeitos. Isso é imagem criada pela mídia e pelo senso comum. Qualquer celebridade que morre precocemente costuma ser mais valorizada do que realmente é.

Ayrton Senna foi talvez o melhor piloto de F1 que já existiu. Se foi o melhor ou um dos melhores não importa. O que importa é seu legado. Ele conseguiu mobilizar uma nação que passava por momentos muito difíceis no final dos anos 1980 e início dos 90 para algo positivo: vencer, buscar a perfeição, lutar para ser o melhor. Isso é o que entra para a história. O resto é resto.

É isso que busco na minha vida e a lição que ficou para mim. Ser o meu melhor a cada dia.

Você já imaginou como será o mundo no dia em que todos conhecerem seus talentos e os praticarem em sua vida pessoal e profissional?

Amanhã faz 20 anos e já tem gente por aí que nunca ouviu falar de Ayrton Senna. Se você é um deles, aqui vai uma mostra do que ele fazia:

Nenhum comentário:

Postar um comentário