9 de mai de 2012

O que falta para o Brasil ser uma potência?


Na semana passada retornei ao Brasil, após morar e trabalhar na Inglaterra por 1 ano.

Por mais que tente evitar, é impossível não comparar os dois países.

Logicamente, o que vou dizer a seguir é minha opinião pessoal à partir das experiências que vivi. Não significa que sou o dono da verdade e que não aceito outras visões sobre o tema. Cada indivíduo é um mundo à parte e, como dito no post anterior, nossa percepção às vezes tem mais poder do que a própria realidade e isso influencia nossos comportamentos e opiniões.

Para mim, a primeira grande diferença é social. A Inglaterra é uma sociedade de classe média, com pouca desigualdade entre ricos e pobres se comparado ao Brasil. Efeito prático disso? 

Menos desigualdade social = menos violência 

Em 95% das situações em que eu estava em algum local público na Inglaterra, me sentia completamente seguro. Mesmo ao andar a pé em ruas quase desertas ou pegar um trem vazio após as 22h00, por exemplo.

Parar no farol e ficar atento ao movimento ao redor do carro? Nunca.

No Brasil recente, altas taxas de crescimento econômico e programas sociais como o bolsa família permitiram que milhões de pessoas entrassem na chamada classe média. Isso é um excelente sinal de nossa recente prosperidade econômica, mas ainda é pouco, quando percebemos que a classe média de países como a Inglaterra é mais rica, tem muito mais acesso a educação e saúde de qualidade do que aqui.

Afinal, por que a desigualdade social na Inglaterra é menor?

Respondendo somente com base nas conversas que tive a este respeito por lá, isso ocorre por que a diferença entre salários é muito menor. As faixas de imposto de renda chegam a até 50%. No caso do Brasil, a alíquota máxima é de 27.5%.

Outro elemento que influencia isso é a Educação. No Brasil, são poucos os que tem condições de pagar por uma educação de qualidade. Não me refiro a estas pessoas. Me refiro à maioria dos brasileiros.

Para comparar a qualidade da educação na força de trabalho, fiz o teste do McDonald's. Em vários momentos eu frequentava esta rede de fast food por lá e percebi que o atendimento, qualidade da comida e limpeza estão anos-luz a frente do McDonald's no Brasil.

Lógico que o McDonald's orienta suas lojas para o fornecerem o melhor atendimento possível em todo o Mundo e na minha opinião, a variação para melhor ou pior está ligada à qualidade do trabalho dos funcionários que por sua vez é determinada por sua formação profissional.

O que falta para o Brasil ser uma potência?

Para mim, o sucesso de uma nação não significa o tamanho do seu PIB (que cresce também quando vendemos mais armas, carros e antidepressivos). País bem sucedido é aquele que consegue prover a melhor qualidade de vida para o maior número possível de cidadãos.

No modelo econômico Capitalista em que estamos inseridos, qualidade de vida está diretamente relacionada à menor desigualdade social, que na prática significa mais oportunidades de estudo, trabalho e lazer a todos.

Portanto, se quisermos ser uma potência no sentido digno da palavra, precisamos dentre outras prioridades, diminuir a enorme desigualdade social entre ricos e pobres.

Obs.: esta experiência internacional também me abriu os olhos para um lado positivo e extraordinário do Brasil que muitas vezes passava despercebido. Falarei mais a respeito em outros posts.

Nenhum comentário:

Postar um comentário