24 de mar de 2012

Como medir a Felicidade no Brasil?


Embora a mídia brasileira e internacional insista em comparar o desempenho dos países com base no Produto Interno Bruto (PIB), está claro que este indicador não representa o sucesso de uma nação.

Como o PIB mede basicamente a geração de riqueza, isso significa que um crescimento neste indicador pode vir tanto da produção de carros quanto de armas. Quanto maior o consumo (apesar do impacto ambiental), melhor para o PIB.

O Brasil caminha rapidamente para se tornar a quinta economia do Mundo até a metade desta década, mas por outro lado ainda patina nos avanços sociais necessários para que sejamos um país desenvolvido. Basta comparar nosso sistema educacional e de saúde com o dos países da Europa Ocidental, por exemplo.

Portanto, nosso sucesso no PIB não significa muita coisa.

Nós (e os demais países do globo) precisamos de um indicador que vá medir aquilo que faz a vida valer a pena: a felicidade e o bem-estar.

Portanto, o FIB (Felicidade Interna Bruta), faz muito mais sentido do que o PIB. 

Esta ideia já foi amplamente defendida por pensadores como Eduardo Gianetti, no seu livro Felicidade e Martin Seligman, ao refletir sobre a Psicologia Positiva, além de já ser uma realidade no Butão (desde 1972!), um reino de 700 mil habitantes ao norte da Índia.

Ao que tudo indica, começaremos a ouvir falar do FIB no Brasil à partir da iniciativa pioneira de pesquisadores da Fundação Getúlio Vargas. Excelente notícia!


Índice vai medir felicidade do brasileiro
FGV-SP elabora a metodologia do novo índice, a Felicidade Interna Bruta; intenção é fornecer os resultados ao governo federal para auxiliar no desenvolvimento de políticas públicas
23 de março de 2012 | 22h 45
Roberta Scrivano
www.estadao.com.br


SÃO PAULO - A riqueza do País pode começar a ser mensurada de outra forma. No lugar do Produto Interno Bruto (PIB), a Felicidade Interna Bruta (FIB). A Fundação Getúlio Vargas de São Paulo (FGV-SP) está empenhada na elaboração da metodologia do novo índice. A intenção é fornecer os resultados ao governo federal para auxiliar no desenvolvimento de políticas públicas.

O FIB já existe no Butão, um pequeno reino incrustado nas cordilheiras do Himalaia. Lá, o contentamento da população é mais importante que o desempenho da produção industrial. O índice pensado pela FGV, no entanto, não será tão radical. "O PIB será um dos componentes do cálculo", esclarece Fábio Gallo, professor da FGV-SP que, ao lado de Wesley Mendes, encabeça o desenvolvimento do estudo.

O PIB é considerado por diversos especialistas um índice incompleto. Dados como o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) ou o nível de segurança das cidades não são contabilizados. Portanto, elencar a grandeza das nações pelos bilhões acumulados com produção industrial e comercial, por exemplo, é, para esses especialistas, uma distorção da realidade.

"Elaborar o índice que queremos é algo complexo. São muitos dados subjetivos que variam de Estado para Estado", explica Gallo. Num país do tamanho do Brasil, com regiões diferentes entre si, a tarefa fica ainda mais complicada. "Tudo será sob medida para cada uma das regiões. Dessa forma, chegaremos a bons resultados, que reflitam a situação real do País", completa Mendes.

Os professores salientam que o PIB falha ao computar os custos ambientais e, ao mesmo tempo, inclui em seu cálculo formas de crescimento econômico prejudiciais ao bem-estar da população. Gastos com crime, atendimento médico, divórcio e até desastres naturais como tsunamis colaboram para elevar o PIB.

O primeiro passo do desenvolvimento da metodologia do FIB brasileiro já foi dado pela FGV, e mostra que a riqueza econômica não é o principal fator de felicidade da população. Um questionário com jovens adultos de São Paulo e de Santa Maria, pequena cidade no interior do Rio Grande do Sul, mostrou que o índice de satisfação dos jovens gaúchos é 22,5% maior que o dos paulistanos. Entre os 11 aspectos de vida estudados, os mais relevantes para a percepção de satisfação foram vida social, situação financeira e atividades ao ar livre.

Ainda de acordo com essa primeira etapa da pesquisa, a principal preocupação dos paulistanos é com segurança pessoal, enquanto a principal satisfação é com perspectivas de crescimento acadêmico. Entre os gaúchos, a preocupação é com as expectativas de conseguir um bom trabalho. A satisfação é com a boa vida social. "Sociedade feliz é aquela em que todos têm acesso aos serviços básicos de saúde, educação, previdência social, cultura, lazer", afirma Fábio Gallo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário