15 de jan de 2017

Está na hora de rever suas crenças limitantes



Este post utiliza como base teórica o livro "Liminal Thinking", um dos melhores que li nos últimos anos. Acesse aqui para um comentário mais detalhado sobre este livro.

O livro nos guia numa jornada para desafiar nossas crenças sobre quem somos e sobre como é o mundo ao nosso redor. Quem já fez terapia (principalmente terapia cognitiva) irá se identificar muito com esta publicação.

Ao longo da nossa vida vamos cristalizando algumas crenças que limitam nosso potencial individual e coletivo.

"Não terei sucesso na minha carreira"

"O Brasil nunca dará certo"


Eis dois exemplos de crenças limitantes. A primeira no nível individual e a segunda no nível coletivo.

Como o autor Dave Gray demonstra no livro "Liminal Thinking", há uma grande chance de que muitas das nossas crenças estejam erradas. Isso por que as crenças são formadas a partir de nossas experiências com a realidade e das teorias e julgamentos que fazemos sobre estas experiências.

Assim, a crença "não terei sucesso na minha carreira", pode ter surgido a partir de uma experiência pontual, por exemplo a pessoa foi demitida de seu primeiro emprego após trabalhar na empresa por apenas 6 meses.

Depois disso, a pessoa cria uma teoria para explicar por que foi demitido. Exemplo: "o mundo corporativo é político. Não são os melhores que sobrevivem. São os mais políticos. Como eu não sei fazer política, não terei sucesso em minha carreira."

Assim, a crença "não terei sucesso em minha carreira" está formada.

Uma vez consolidada, a tendência é que a pessoa utilize fatos pontuais que acontecerem no futuro para reforçar a crença. Assim, sempre que a pessoa tiver insucesso em novas tentativas profissionais, há o reforço: "tá vendo, nesta empresa é só política! Você não leva jeito para uma carreira corporativa!".

Não significa que todas as nossas crenças estão erradas...Mas não custa nada de tempos em tempos desafiar e revê-las. No caso desta história em particular, rever a crença pode fazer com a pessoa:

a. Entenda que nem todas as empresas são políticas. Há empresas em que o mais importante é a performance;

b. Desenvolva habilidades para ser mais política em algumas situações pontuais.


Transformar crenças limitantes em crenças em crenças saudáveis nos permite enxergar um novo mundo de oportunidades e a continuar a trilhar o caminho do desenvolvimento (individual e coletivo).

13 de jan de 2017

Como as pessoas se sentem depois de falarem com você?

Acho que as mais belas reflexões e mudanças de atitude podem partir das mais simples perguntas.

Precisamos lutar contra o piloto automático da correria que a vida moderna nos impõe e pensar mais no impacto que estamos deixando no mundo e nos outros ao nosso redor...


3 de jan de 2017

Quem é você na sua empresa?


Excelente reflexão sobre 3 tipos de pessoas nas organizações: giver, taker ou ambos.

Com qual perfil você se identifica e o que você está disposto a mudar na sua conduta para fazer de 2017 um ano diferente na sua carreira?

Aliás, ser uma pessoa que se doa mais (giver) ou alguém que está sempre olhando para seus interesses pessoais (taker), diz muito sobre a visão que cada um tem sobre sucesso.

Nas palavras de Adam Grant, o psicólogo organizacional criador deste TED:

"Nós podemos mudar a forma como as pessoas definem sucesso. Ao invés de definir sucesso como vencer uma competição, as pessoas vão perceber que sucesso está mais ligado a realizar uma contribuição. Eu acredito que a forma mais significativa de sucesso é ajudar outras pessoas a ter sucesso."